Everything Else

Posso recitar uma poesia?

16.07.2013

poesia

De braços cruzados e cabeça baixa eu esperava minha carona, nada muito diferente das outras tantas pessoas que ali me cercavam, nada de extraordinário. Os olhos corriam por entre as pessoas: algumas apressadas, outras parecendo não ter rumo certo, porém sempre em passos firmes sem olhar muito para os lados.

Como um sussurro de esperança, entre suspiro e outro ouvi uma voz implorando atenção. Não pedia dinheiro, comida ou vendia qualquer tipo de mercadoria, apenas queria um minuto daqueles que por ali corriam.
– Posso declamar uma poesia de minha autoria? – O garoto dizia.
– Posso recitar uma poesia? – Ele repetia sem que a pessoa anterior ao menos parasse para dizer “não”.
Tal fenômeno sempre me chamou atenção, essa falta de prestar atenção, excesso de desinteresse refletidos diante dos meus olhos sem que aparentemente eu pudesse fazer nada. Mas eu podia, e assim o fiz. Depois de bons quinze ou vinte minutos de pedidos com olhar triste e poucas poesias declamadas, fui em sua direção, não por pena ou compaixão, mas por vontade de ouvir o que ele tinha a dizer
– Eu quero ouvir uma poesia – disse sorrindo.
Sem jeito, ele fechou os olhos e começou a dizer palavras bonitas que faziam muito sentido naquele momento. Não era nada extraordinário, mas por que não parar para ouvir algo bom? O mundo precisa de palavras boas e elas estavam ali, esperando para serem ouvidas enquanto o mundo passava de olhos e ouvidos tapados. E ainda passa. E passará.
– Você as tem escritas? Gostaria de levar sua poesia comigo – Pedi apreensiva, sem saber se era o certo aquilo que fazia.
Ele concordou apesar de demonstrar uma feição um pouco assustada, ainda que compreensível, uma vez que a um minuto ninguém ao menos parava para ouvi-lo. Assim, ele pegou um papel com algumas de suas poesias e me entregou. Agradeci e voltei ao meu posto, olhando para a o nada como aquelas mesmas pessoas que me rodeavam a alguns minutos anteriores, intactas, cheias de si e de nada. De fato estávamos ali sem distinção alguma, mas assim como éramos iguais, podíamos igual: então ao invés de mãos e cabeça vazia, eu pude, quis e agora eu possuía pensamentos em forma de poesia.

***

E ai, gostaram? Isso de fato aconteceu e a foto que abre esse post é dos papéis que ele me deu. Realmente parar pra ouvir ele um minuto me fez bem, mesmo que ver todas aquelas pessoas passando reto tenham me feito sentir coisas ruins por algum tempo! Já aconteceu algo assim com vocês? Quero saber! Bem, é isso! Ah, quero aproveitar pra agradecer o carinho de sempre, me sinto muito bem com esse retorno de vocês!

Um beijo, Dan ❤

Por

Danile Pedrozo

  1. Sabe, o mal das pessoas atualmente é que elas nunca querem escutar, querem apenas ser escutadas. E muitas das vezes, por essa ânsia de querer apenas falar e nunca parar para ouvir o outro, elas acabam esquecendo da própria poesia que cada um traz dentro de si. Se cada um trabalhasse o ouvir e falar menos, as pessoas não seriam tão cheias de si, e ao mesmo tempo tão cheias de nada, como você disse.

    Aquele garotinho só precisava de um “Sim, eu quero ouvir sua poesia” para que ele pudesse prosseguir feliz. Ele só queria ser escutado. Tenho certeza que você fez a diferença na vida dele.

    Parabéns, Dan! Seu texto é tocante *-*. Adoro-os e sempre vou repetir que você escreve muito bem!

    Maria Cecília
    http://www.mariaceciliasimes.wordpress.com

  2. Fabiana Carmelo says:

    Lindo seu texto, pena essa realidade ser bem comum.
    Ja senti muito isso em situações diferentes, mas com os mesmos elementos: alguém sendo ignorado e eu ali prestando atenção. É bom ajudar!

    Adorei o texto, beijos.

  3. tania says:

    Bacana,bacana mesmo.
    Bom,de momento não me recordo de ter feito algo parecido,infelizmente sempre digo:”não obrigado” sem nem a ao mesmo prestar atenção pra ver realmente do que se trata. :/
    Sempre imagino que querem vender algo.
    Só mesmo em um post pra prestar atenção!E pelo menos pensar no assunto…
    Parabens pela atitude,um beijo!

  4. Kévilin says:

    Daaaan! Super fã de seus textos! Depois que te “conheci” no vídeo do “Chuby Bunny” fiquei ainda mais. Você é uma fofa!
    Adorei esse. Imagino com incrível deve ter sido a experiência! Você contou pra ele que também escreve? Nem que seja prosa?
    Acho que um dia vou parar para tentar “declamar” meus escritos na rua. Será que vão parar para me ouvir? Será que uma “Dan” vai pedir meus textos pra levar para casa?
    Obrigada por me fazer refletir! Você é um amorzinho ♥

    • Obrigada mil vezes, querida! Fico muito feliz em saber disso! Confesso que fiquei um pouco apreensiva de iniciar uma conversa mais prolongada com ele, o menino estava bem envergonhado pelo que percebi apesar da boa vontade… quando percebi que foi o suficiente o que fiz, apenas recuei. Muitas vezes devemos perceber o que basta: nem pouco, nem muito! {: Eu acho que você deveria tentar! E não se sinta mal se não quiserem parar para te ouvir, é assim mesmo. Mas a partir do momento que você recitar um escrito seu para alguém e essa pessoa ficar bem, saiba que valeu a pena!

  5. Dan ,
    Lindo texto e pura realidade !!! As pessoas cada vez tem menos tempo e atenção para os momentos do dia …
    Tão bom, um sorriso, uma atenção , um obrigado !!! Mas cada vez é mais raro na correria do dia-a-dia …
    Bjs e adorei !!!!

  6. Dan, uma vez fui fazer compras no centro da cidade. Em uma das esquinas, um moço de longos cabelos e de traços muito diferentes dos quais estou acostumada a ver, arriscava algumas notas em um violino que delicadamente repousava em seu ombro. Ele estava todo vestido de preto, encostado em uma parede branca, mas se apagava no meio da multidão. Eu passava por ali. Passei, voltei, parei, fiquei observando. Ele sorriu e disse “gracias”, eu devolvi o sorriso e parti.

  7. Kelly B. says:

    Que texto lindo Dan, foi uma situação especial e emocionante, gostei muito de ler esse acontecimento na sua vida, ^^

  8. Amanda says:

    Oi Dan! Seu jeito de escrever me encanta e me envolve de uma maneira que você nem imagina. Eu consigo sentir cada palavra escrita. Já pensaste em escrever um livro? Eu iria amar <3

    Beijos sua linda!

    P.s: Que fonte você usa na frase que coloca em cima da imagem? É linda! E como uma viciada em tumblr, iria amar saber.

  9. Vitt says:

    Olá! Dan, por favor por favor!! Poste a poesia que ele recitou??? Por favor!!! Por favor!!! Nossa, queria muito ter visto algo assim, realmente gosto de parar e olhar ao meu redor, fico pensando o tempo todo em como posso fazer algo bom pelo mundo! E isso que ele fez, isso que VOCÊ fez… :) Sem palavras!!! Obrigada pela atenção!

  10. Marijleite says:

    A gente tem pressa demais, né? Acha que já sabe o que vai acontecer, o que vão dizer; essa mania de querer prever tudo.
    De vez em quanto é bom mudar isso, parar e se arriscar a encontrar e ouvir uma coisa diferente.
    http://www.petalasdeliberdade.blogspot.com.br

  11. Laura Minaré says:

    Nossa Dan, que lindo!!
    Primeira vez que comento seus textos, devia ter o feito faz tempo, porém hoje tive a oportunidade!
    Você escreve muito bem, seus textos são lindo, sem dizer nas suas fotos! Parabéns!
    Beijos!

  12. […] curiosidade de conhecer o maravilhoso apartamento de Coco Chanel 5. Uma visita ao MAM no RJ 6. Um pouco de poesia faz bem para a alma 7. Como não se inspirar nos editoriais de moda * 8. Pêlos por uma boa causa […]

  13. […] curiosidade de conhecer o maravilhoso apartamento de Coco Chanel 5. Uma visita ao MAM no RJ 6. Um pouco de poesia faz bem para a alma 7. Como não se inspirar nos editoriais de moda * 8. Pêlos por uma boa causa […]

  14. Matheus says:

    e oooooorivel nunca vi um trem desse gente


Deixe seu comentário