chick-lit

Posts na tag chick-lit

30. Jul. 2014

Attachments (Rainbow Rowell)

Arquivado em: Livros são amor

Não cheguei a comentar no blog, mas a minha ideia era resenhar um livro em Inglês em uma semana e um livro em Português na outra, pra conseguir agradar o máximo de pessoas possível, mas não consegui. Semana passada resenhei Fangirl da Rainbow Rowell e essa semana, embora já tenha feito as fotos para mais duas resenhas de livros que já foram publicados no Brasil, eu precisava falar sobre Attachments também da Rainbow Rowell.

Attachments é o primeiro livro da autora Rainbow Rowell e, diferente de Eleanor & Park e Fangirl, não é um young adult (jovem adulto) e sim um chick-lit. A história se passa em 1999, quando a internet ainda era novidade, e nela há três personagens principais: Beth, Jennifer e Lincoln. Beth e Jennifer são duas amigas e colegas que ficam conversando sobre várias coisas pelo e-mail do trabalho (essa é a forma que elas encontraram para se comunicar já que não sentam perto uma da outra) e Lincoln é o rapaz responsável por monitorar os e-mails trocados pelos funcionários.

As mensagens trocadas pelas amigas são super engraçadas e, com o tempo, Lincoln percebe que está se apaixonado por uma delas e que isso complica tudo, afinal, como ele vai conseguir se apresentar pra ela, ter um relacionamento sério e esconder que lia seus e-mails “pessoais” trocados durante o horário de trabalho?

Esse livro é MUITO engraçado. Sério, teve uma hora que estava lendo enquanto esperava a minha vez de ser atendida no banco e que não consegui me controlar na risada. Os capítulos são divididos em mensagens trocadas por Jennifer e Beth e capítulos narrados pelo Lincoln. Isso tornava a leitura bem dinâmica porque muitos dos capítulos eram curtinhos (o livro tem 357 páginas e 89 capítulos).

É difícil isso acontecer (pelo menos pra mim), mas eu gostei muito dos três personagens principais. Não achei nenhum deles chatinho, sabe? E, pra variar, me apaixonei pelo Lincoln. Acho que a Rainbow Rowell tem o dom de criar personagens masculinos  apaixonantes hehe

Comprei meu livro pelo Book Depository e, se você for pesquisar, vai ver que ele está disponível em duas capas. A minha é a da edição britânica e a outra disponível é a edição americana (ambas são em paperback – “capa mole”):

Edição britânica | Edição americana

Embora eu ame a edição britânica, uma coisinha me incomodou: as pessoas da capa não parecem nada com os personagens principais. Mas pelo que eu vi, isso aconteceu com a capa britânica de Eleanor & Park também.

* Importante: comprando pelos links colocados nesse post (ou pelo banner lateral), você estará me ajudando porque eu ganho uma pequena comissão do Book Depository e, com esse dinheiro, poderei comprar mais livros para resenhar e apresentar para vocês.

É uma leitura rápida, envolvente e achei o inglês do livro bem tranquilo de entender. Não sei se a Novo Século (ou alguma outra editora) comprou os direitos para publicar esse livro no Brasil, mas se você é fã da Rainbow Rowell, gosta de chick-lit e quer praticar inglês, eu super recomendo.

Para conhecer mais sobre os outros títulos da autora é só clicar nos links: Eleanor & Park | Fangirl.

E aí, alguém já leu? Alguém se animou pra ler? Vou adorar saber a opinião de vocês nos comentários!

Obrigada por tudo, pessoal!

xoxo

Youtube  Instagram ❤ Twitter ❤ Facebook ❤ Bloglovin’ ❤ Pinterest ❤ Tumblr ❤ Goodreads  Flickr

10. Jul. 2014

Lembra de mim? (Sophie Kinsella)

Arquivado em: Livros são amor

Há alguns meses (ok, faz mais de um ano hehe) fiz um post falando que a Sophie Kinsella é uma das minhas escritoras favoritas. Naquela época só tinha lido dois livros dela e hoje, depois de ler mais cinco títulos ela continua entre as minhas queridinhas (ainda mais depois de Lembra de mim?).

Lexi Smart, após um pequeno (ou não) acidente acorda em um hospital. Sua última lembrança é que aquele era (ou pelo menos deveria ser) o dia do enterro de seu pai e que, na noite anterior, ela tinha saído com as suas amigas do trabalho para comemorar o bonus que elas receberam e acabou batendo a cabeça. Ao acordar, se desespera ao perceber que está na ala particular do hospital, afinal não tem como pagar isso com o seu salário de funcionária da Deller Carpets. Quando pede para a enfermeira a sua bolsa, recebe uma bolsa de marca caríssima. Certa de que aquela não é a sua bolsa se assusta ao ver que seus documentos estão nela. Tudo está muito esquisito, mas o choque é ainda maior quando ela se olha no espelho e percebe que não tem mais aquela aparência desleixada que tinha há um dia. Agora ela está com um corpo lindo, sorriso perfeito e cabelo maravilhoso.

O ano é 2007 e a última lembrança de Lexi é de uma noite em 2004 (a véspera do enterro de seu pai). Ela esqueceu completamente o que aconteceu durante três anos de sua vida e não sabe como ficou bem sucedida, nem o que a fez se apaixonar pelo marido (outra notícia chocante para Lexi: agora ela é casada).

Parece que Lexi acordou em uma vida perfeita com tudo que sonhava: bem sucedida no trabalho, com um marido lindo e um corpo bonito e saudável. Tinha tudo pra ser feliz…ou não! O problema é que agora é a Lexi de 2004, uma garota mais humana e simples, que está no corpo da nova Lexi, uma mulher cujo apelido é “cobra”, ou seja, bem diferente da Lexi de 3 anos atrás.

Durante o livro Lexi vai tentando descobrir o que ela fez durante esses três anos e o que aconteceu com aquela Lexi de 2004. Tudo isso de um jeito divertido e envolvente, no melhor estilo Sophie Kinsella.

O livro me prendeu de uma forma que não devorá-lo parecia não ser uma opção (e não era mesmo!). A cada capítulo queria saber logo o que iria acontecer e como essa história iria terminar. Simplesmente adorei a Lexi e amei a forma com que a Sophie desenvolveu a história.

O único ponto que realmente me incomodou foi a forma com que a família dela (sua mãe e irmã) reagiram à sua perda de memória. Duas personagens extremamente irritantes e que não estavam se preocupando a Lexi.

Já tinha esse livro desde Julho de 2013 na minha estante, mas a edição era econômica e eu ~realmente~ tenho problemas para ler edições econômicas. Fiquei procurando a edição comercial pelas livrarias e, quando achei, comprei na mesma hora e comecei a ler no mesmo dia.

Essa edição é muito amor. As páginas são brancas, mas tirando isso tudo é lindo (incluindo margem, tamanho da fonte etc.) e tem corações dourados na capa e na quarta capa *-*

ISBN: 9788501081674 | Editora: Record | Páginas: 400 | Nota: 5/5 (favorito)

Lembra de mim? É, sem dúvida, um dos meus favoritos da Sophie e super recomendo para quem gosta de chick-lit e quer conhecer a autora.

E aí, quem já leu?

Obrigada por tudo, pessoal!

xoxo

Youtube  Instagram ❤ Twitter ❤ Facebook ❤ Bloglovin’ ❤ Pinterest ❤ Tumblr ❤ Goodreads  Flickr

05. Jun. 2014

Quem sabe um dia (Lauren Graham)

Arquivado em: Livros são amor

Quem sabe um dia é o livro de estreia da atriz Lauren Graham. Sim, Lorelai Gilmore, ou melhor, a atriz que interpretou a mãe da nossa querida bookworm Rory Gilmore, resolveu se aventurar pelo mundo maravilhoso da literatura e já quero deixar registrado aqui que fiquei feliz por ela ter feito isso ;)

Franny Banks é uma protagonista divertida e meio atrapalhada que tem uma meta: alavancar a sua carreira de atriz em Nova York em até 3 anos. O livro começa quando esse prazo está perto do fim e Franny se deu conta de que precisa mudar algumas coisas na sua vida para que ela tome o rumo desejado.

Nas suas quase 400 páginas conhecemos também seus colegas de apartamento, alguns colegas do curso e também temos uma visão um pouco mais próxima da realidade de como é esse mundo de atores e atrizes que estão tentando seguir com uma carreira de sucesso.

É um chick-lit leve, divertido e rápido. A diagramação é ótima (já disse que sou fã dos livros da Record, né?), a foto da capa é inspiradora (a edição brasileira tem a mesma capa da americana – não consegui enxergar a Franny como a moça da foto, mas achei linda e inspiradora mesmo assim) e, um detalhe que achei super legal no livro, é que entre alguns capítulos têm páginas da agenda da Franny com anotações engraçadas:

Uma coisa que achei impossível de fazer foi ler o livro sem imaginar a própria Lauren, ou melhor, a Lorelai como a Franny. Não achei isso ruim, pelo contrário, porque gosto de dar rostos para os personagens dos livros que leio e, enquanto lia, tive a impressão de que esse rosto estava bem próximo do real hehe

Super recomendo essa leitura para quem é fã de chick-lit, Gilmore Girls (!!) e que está procurando uma leitura leve e relaxante.

Alguém aí já leu? O que achou?

Obrigada por tudo, pessoal!

xoxo

Youtube  Instagram ❤ Twitter ❤ Facebook ❤ Bloglovin’ ❤ Pinterest ❤ Tumblr ❤ Goodreads  Flickr