resenha

Posts na tag resenha

04. Jun. 2013

Orgulho e Preconceito (filme)

Arquivado em: Pipoca

melinasouza

Lembram quando eu pedi pra vocês votarem em qual filme queriam que eu resenhasse primeiro aqui no blog? Eu dei quatro opções de filmes tinham a Jane Austen em comum e o mais votado foi Orgulho e Preconceito. Eu já tinha assistido esse filme há alguns anos, mas estava com muita vontade de rever e essa foi uma boa “desculpa”.

Esse filme é uma adaptação do livro Orgulho e Preconceito da escritora inglesa Jane Austen. Se passa na Inglaterra do século XVIII (mais especificamente no ano de 1797) e tem como protagonista a jovem Elizabeth Bennet, uma das cinco filhas da Sra. Bennet (uma mulher que tem como principal objetivo de vida encontrar bons partidos maridos para suas filhas). Com a chegada do Sr. Bingley, um homem solteiro muito rico, a  Sra. Bennet decide que seu marido precisa dar um jeito de apresentar as garotas para ele, pois tem certeza de que uma delas irá conquistá-lo. É em um baile que a vida de Elizabeth muda, mas não exatamente por causa do Sr. Bingley e sim por causa do charmoso/rico/esnobe Sr. Darcy.

Orgulho e Preconceito é um filme perfeito para quem gosta de romance de época, folheado de maçã e do Spock. Ok, brincadeira (ou não!). É um filme com uma fotografia incrível que, pra variar, me deixa com vontade de entrar com a câmera fotográfica e com um livro. Pois é, vontade de entrar para fotografar tudo e depois sentar em um sofá (ou embaixo de uma árvore) e ler um bom livro.

Quem quiser ver o trailer legendado clique aqui

Esse romance tem várias adaptações e pretendo ver (quase) todas e compartilhar aqui no blog. Eu poderia fazer uma resenha mais profunda sobre a história, mas pretendo fazer isso na resenha do livro ;)

E aí, quem já assistiu? O que achou?

Obrigada por tudo, pessoal!

xoxo

A classificação indicativa é livre

26. Mai. 2013

Sábado à noite (Babi Dewet)

Arquivado em: Livros são amor

Antes de falar sobre a história do livro, diagramação e essas coisas, quero contar como Sábado à noite foi parar em minhas mãos. Estava passeando com a fofa da Paula Pimenta quando ela recebeu uma ligação da Babi Dewet avisando que estava em um shopping por perto. Alguns minutos depois lá estava eu almoçando com a Paula, com a Pri (não é a Pri de Minha Vida Fora de Série, heim? haha) e com a Babi do meu lado. Foi um almoço tão legal e divertido que dei um jeito de ir em um evento da Babi na Livraria Curitiba no mesmo dia à noite e comprei o livro.

babi

Não lembro se foi a Paula ou a Pri que tirou essa foto então os créditos são das duas haha :)

Sábado à noite é uma adaptação de uma fanfic de mesmo nome escrita pela Babi Dewet. A história se passa no ensino médio e os personagens principais fazem parte de dois grupos: as meninas são lindas e populares e os meninos são bagunceiros (marotos). A vida deles sofre uma reviravolta quando a professora de Artes decide escolher quem fará dupla com quem nas próximas aulas e coloca Amanda, a garota mais bonita e popular, com Daniel, um dos marotos. Amanda e Daniel têm uma paixão mal-resolvida, o que torna esses encontros mais emocionantes fazendo diferentes questões e sentimentos virem à tona. Pra completar, o diretor tem a brilhante ideia de promover bailes todos os sábados à noite e para isso contrata uma banda de músicos talentosos e mascarados que cantam músicas que parecem ter sido escritas para Amanda.

A principal questão que a Babi traz nesse livro é o Amor x Amizade, pois Amanda se encontra em um dilema por ter certeza de que uma de suas melhores amigas gosta do mesmo garoto que ela, o que faz com que não só ela, mas o seu amor também sofra (e muito!).

Gostei muito do livro, chorei várias vezes e me irritei muito também. Vou aproveitar esse parágrafo pra fazer um desabafo: eu não gosto da Amanda! Não vou falar muito pra não contar spoilers, mas muitas vezes ela tomou atitudes que me fizeram querer entrar no livro e brigar com ela (pois é!). Embora a Babi tenha conseguido nos fazer refletir sobre os dois lados (o da Amanda e o do Daniel), eu não consegui deixar de me irritar com as suas atitudes (e de me apaixonar pelo Daniel).

A versão que eu tenho foi publicado pela Editora Generale e eu gostei bastante do trabalho gráfico dela, mas me incomodei um pouco com uns errinhos que passaram batido na revisão. As páginas são amareladas e a margem/espaçamento/fonte são ótimos.

melinasouza

A Babi Dewet é uma escritora-blogueira super querida. Fiquei muito feliz por ter conhecido ela e seu trabalho. Espero encontrá-la novamente logo e ler o segundo volume de Sábado à noite (por favor, diz que a Amanda ficou mais legal? :P).

ISBN: 9788563993380 Editora: Generale Páginas: 334 Nota: 4/5

Quem quiser acompanhar as novidades:

Babi Dewet: blog | twitter | facebook | youtube

Sábado à Noite: fanpage | twitter | youtube

melinasouza

O Spock quer se candidatar para ser um maroto, mas reclamou que a máscara não é do tamanho dele :P

melinasouza

Babi, parabéns pelo livro e pelo sucesso :D Volta logo pra Curitiba!

Quem quiser me acompanhar nas redes sociais literárias: skoob e goodreads

Obrigada por tudo, pessoal!

xoxo

03. Mai. 2013

“Quem poderia ser a uma hora dessas?” (Lemony Snicket)

Arquivado em: Livros são amor

IMG_8358 copy

Saudações, leitores e leitoras! Não vou gastar muito espaço explicando por que “sumi” do blog nesses últimos meses (basicamente, ando trabalhando em diversos projetos de texto e em alguns de ilustração); ao invés disso, vou direto ao ponto: esse ano, a Mel fez uma parceria com a Companhia das Letras e, a cada mês, eles nos mandam livros para fazermos resenha. Minha primeira escolha foi Quem poderia ser a uma hora dessas?, do Lemony Snicket, e já adianto que gostei muito – logo vocês saberão o porquê.

IMG_8345 copy

Mistério ilustrado

Já de início, duas coisas chamam a atenção: o título estranho e o belo projeto gráfico. Quem poderia ser a uma hora dessas? é o primeiro de quatro livros da série Só perguntas erradas e, pelo menos pra mim, a curiosidade a respeito das tais “perguntas erradas” foi um bom incentivo para começar a leitura.

Na orelha e na quarta capa (parte de trás do livro) há algumas, como “quero saber o que se passa em uma cidade à beira-mar que não está mais na beira do mar?” ou “de onde vem esse grito?” e “estou interessado em conhecer a história do roubo de um objeto que não foi roubado?”.

IMG_8357 copy

IMG_8342 copy

“Quem poderia ser a uma hora dessas?” foi ilustrado por Seth, que, de acordo com sua “mini-biografia” na orelha do livro, “já retratou muitas circunstâncias duvidosas e personagens obscuros ao longo de sua vida”. Simples, bem feitas e curiosas, elas não apenas ajudam a deixar o livro bonito, como também te dão vontade de continuar a leitura, porque ao longo dela você começa a entender o que cada ilustração da capa representa (a estátua no canto superior direito ou o telefone fora do gancho na quarta capa, por exemplo). No começo de cada capítulo, desenhos dão a cara a personagens e revelam partes do cenário em que a história se passa.

IMG_8355 copy

Mesmo com todos esses méritos, porém, as ilustrações têm um ponto fraco: podem fazer o livro parecer mais “infantil” do que “jovem” (tanto que algumas livrarias o colocam na categoria “infantil”, algo que considero um engano, como vocês verão daqui a alguns parágrafos). Isso não chega a tirar o mérito do livro mas, já que é algo não intencional, considero um problema.

Pra encerrar a análise da parte gráfica e partir para a história: a diagramação é muito boa – margens, fonte, tamanho da letras, integração entre texto e ilustrações etc. Como estou lendo as edições de bolso das Crônicas de Gelo e Fogo (que logo ganharão sua resenha aqui no blog), que têm um texto mais “compactado”, achei o entrelinha muito grande, mas isso provavelmente não vai incomodar ninguém – não chegou a atrapalhar a leitura, apenas precisei de algum tempo pra me acostumar. Junto com o livro, a Companhia das Letras mandou um adesivo de Manchado-Pelo-Mar, a cidade fictícia em que a história se passa – valeu, pessoal!

IMG_8344 copy

IMG_8348 copy

Mistério com humor

Esse foi o primeiro livro que li do Lemony Snicket, muito conhecido pelo Desventuras em Série. A história é contada em primeira pessoa pelo próprio Snicket, o que eu achei um pouco confuso – afinal, “Lemony Snicket” não é apenas um pseudônimo, mas um autor “de verdade”, e os outros livros dele, até onde sei, não têm relação uns com os outros.

A história começa na Casa de Chá e Papelaria Cicuta, “o tipo de lugar onde o chão parece estar sempre sujo, mesmo quando está limpo”, nas palavras do protagonista/autor/narrador. Snicket ia pegar um trem na estação que fica logo em frente à Casa, mas ao invés disso segue instruções que recebeu através de um bilhete, saindo pela janela do banheiro e pegando carona em um esportivo (“uma maneira afetada de falar ‘carro’”) verde estacionado perto de um beco. A motorista, S Theodora Markson (o significado do “S” é um dos mistérios do livro, vale dizer), é tutora de Snicket, e juntos eles vão investigar um suposto roubo em uma cidade que fica no meio do nada, chamada Manchado-Pelo-Mar.

Gostei do estilo do autor, bem humorado e sem muita enrolação. É fácil se identificar com o protagonista, que, apesar de ser uma criança (ele tem 12 anos), se comporta como um adulto – sem ser uma “criança prodígio”, felizmente. Se você estivesse no lugar dele, provavelmente ficaria intrigado, incomodado ou aliviado pelos mesmos motivos que ele.

Confesso que achei a tutora meio chata, porque ela age como se fosse competente, quando na verdade não é. A mania dela de explicar o significado das expressões que usa (e que o próprio Snicket acaba incorporando de vez em quando) é um elemento divertido, mas não compensa a chatice dela. Os outros personagens são mais legais, mesmo aqueles que só aparecem pra atrapalhar.

O estilo de Snicket me lembrou o de Jeff Lindsay, autor da série Dexter (recomendo tanto os livros como série de TV, inclusive), que também escreve em primeira pessoa (mas como Dexter, não como ele mesmo) e inclui comentários e pensamentos sarcásticos ou espirituosos. Por fim, os capítulos são relativamente curtos, o que ajuda a deixar a leitura mais ágil.

“Quem poderia ser a uma hora dessas” prendeu minha atenção, só que mais pelo estilo do autor e pelo carisma dos personagens do que pela história em si – o tal “roubo de um objeto que não foi roubado”. Talvez você se interesse pelo mistério, talvez não, mas dificilmente não vai gostar do livro, em especial do protagonista que, como Dexter, consegue fazer você rir pelo menos uma vez a cada duas páginas (ou até com mais frequência). Recomendo e digo que estou ansioso pra ler o próximo da série.

Aperitivos:

“– Eu sou S. Theodora Markson – ela disse.
– Eu sou Lemony Snicket – respondi e entreguei-lhe um envelope que trazia no bolso. Dentro havia o que poderíamos chamar de carta de apresentação, alguns parágrafos me descrevendo como excelente leitor, bom cozinheiro, músico medíocre e péssimo lutador. Tinha recebido instruções para não ler minha carta de apresentação, e acabei perdendo um tempo abrindo e depois fechando o envelope novamente
– Sei quem você é – ela disse, jogando o envelope no banco traseiro. Ela olhava pelo para-brisa como se já estivéssemos em movimento. – Houve uma mudança nos planos. Estamos com muita pressa. A situação é mais complicada do que você imagina ou do que poderia explicar diante da atual circunstância.
– Diante da atual circunstância – repeti. – Você quer dizer ‘agora’?
– Claro que é isso que eu quero dizer.
– Se estamos com pressa, por que você não diz simplesmente ‘agora’?” (p. 21)

“– Não gosto de sua reticência – disse Theodora, quebrando meu silêncio amargo. – Reticência é uma palavra que quer dizer que você não está falando o suficiente. Diga alguma coisa, Snicket.
– Já chegamos? – perguntei, esperançoso, muito embora todos saibamos que essa é uma pergunta que não se deve fazer ao motorista de um carro. Então tentei um ‘para onde estamos indo?’, mas Theodora não respondeu imediatamente. Ela mordia os lábios, como se também estivesse decepcionada com alguma coisa, então tentei outra pergunta que achei que ela pudesse gostar mais. – O que o S quer dizer?
– Só Deus sabe – ela respondeu, e era verdade.” (p. 29)