INSPIRAÇÃO ORGANIZAÇÃO PROJETO DETALHES

DESAPEGAR UM POUQUINHO A CADA DIA

Já falei algumas vezes aqui no blog sobre como, de tempos em tempos, sinto a necessidade de desapegar. Inclusive um post que me marcou bastante é um de 2014 chamado ~esvaziando gavetas~ em que falei sobre essa necessidade de me desfazer de coisas.

É engraçado – na verdade não é nada engraçado – que há anos não consigo ser totalmente organizada como era quando (bem) mais nova. Acho que isso tem muito a ver com alguns fatores, entre eles a minha profissão e também com o fato de que sou uma pessoa nostálgica, ou seja, coloco muitas memórias/lembranças em objetos.

Ao longo desses anos em que comecei a compartilhar uma parte da minha vida por aqui, acumulei, desapeguei, acumulei…mas tem uma coisa que até hoje não consegui riscar da minha lista de coisas para esvaziar: o sótão. Pois é, aqui em casa tem um sótão lindo (quer dizer, potencialmente muito lindo se eu conseguir esvaziar) que está cheio de caixas, malas e coisas que já nem me lembro mais que foram acumuladas desde que meu irmão mais velho se mudou (o quarto dele tristemente virou “meu depósito”).

Algumas vezes comentei lá no YouTube que tenho muita dificuldade em gravar vídeo de recebidos. Nunca gostei de assistir nem de gravar (acho que em todos esses anos só gravei duas ou três vezes mesmo recebendo ~muitas~ coisas na caixa postal). Mas por ser algo que as pessoas me cobravam muito, preferia guardar os tais dos recebidos em caixas no sótão junto com o pensamento “um dia vou gravar, mostrar tudo isso e arrumar essa bagunça”. Demorei um bom tempo para perceber que, nas poucas vezes em que esse dia chegava, ficava ansiosa e angustiada na hora de sentar na frente da câmera com todas aquelas caixas por perto. Lembro que na última vez que fiz isso, uma moça comentou que eu era ingrata por não gostar de gravar recebidos. Esse comentário me marcou tanto que decidi que não iria mais produzir esse tipo de conteúdo em meu canal (na época só tinha o Serendipity). Não é ingratidão. Sei que muitas pessoas gostariam de receber todas essas coisas e reconheço que sou uma pessoa de sorte por ter conseguido me destacar na internet a ponto de chamar a atenção de marcas incríveis, mas prefiro muito mais falar – seja em vídeo ou aqui no blog – sobre meus favoritos.

Quem acompanhou meus quartos – laranja, azul, tijolinhos e cinza – deve ter notado que cada uma das fases tiveram características bem marcantes. O quarto laranja era cheio de cores – não só na parede – e móveis aleatórios sem muita combinação. O quarto azul só tinha móveis brancos – pintados por mim – e tinham um ar mais de “sonho”. O quarto de tijolinhos, tirando a cômoda turquesa, também só tinha móveis brancos, mas todos estavam lotados de coisas.

Hoje, meu quarto tem menos móveis do que em qualquer outra época, mas mesmo assim ainda tem muitas coisas guardadas (basicamente livros, coisas de papelaria e algumas roupas). Não tanto quanto nos outros anos, claro, mas também porque muitas coisas foram parar no meu “pequeno grande” peso na consciência, também conhecido como sótão. Esse sótão me assombra há tanto tempo que acho que até vou sentir falta (só um pouquinho) quando finalmente conseguir dar um jeito nele.

A minha meta desse mês é conseguir desapegar um pouco a cada dia, ou seja, todo dia vou lá no sótão e vou encher pelo menos uma caixa com coisas que devem ir embora daqui. Coisas que irei vender (tenho contas pra pagar e sonhos pra realizar), doar e jogar no lixo.

Esse final de semana já consegui começar a desapegar de uma coleção que foi presente aqui no blog e lá no meu instagram antigo: os bonequinhos da linha Funko Pop.

Lembro que quando comecei a colecionar, eles ainda não eram comercializados aqui no Brasil (comprei online em sites gringos e também em viagens) e quase ninguém falava sobre eles. Mas depois de alguns meses a procura por eles foi aumentando aqui no Brasil e marcas começaram a comercializar, ou seja, facilitou bastante a vida de quem queria colecionar esses pequenos cabeçudos. Mesmo com o preço “meio” salgado, minha coleção chegou a quase 100 o que significa que já não tinha mais espaço para deixar eles bonitinhos no meu quarto.

No sábado, o Thi e o Lu compraram uns 12 e agora eles estão em um novo lar.

Minha relação com roupas é um tanto quanto engraçada. Tenho uma quantidade grande de saias, de blusas e de vestidos, mas uso praticamente os mesmos SEMPRE. Já faz um tempo que notei isso e parei de comprar como comprava antes. Ainda tenho muitas peças pra me desapegar, mas tô sentindo que não vai ser tão difícil quanto foi das outras vezes. Tô feliz por saber que não terei mais que me sentir culpada por deixar peças guardadas enquanto uso praticamente as mesmas sempre.

Outra mudança que estou fazendo já há um tempo é dar preferência para peças de marcas slow fashion. Não vou mentir e dizer que parei de comprar 100% em fast fashion, mas posso dizer que, com meus (futuros) desapegos, a proporção vai ser slow fashion > fast fashion. E vou me esforçar pra manter somente o necessário :)

Livros são meu ponto fraco. Não nego – nem tem como (hehe) – que meu sonho era ter a biblioteca da Bela e da Fera. Acho maravilhoso ter uma estante cheia de livros e sou muito feliz – e tenho orgulho – da minha estante (sonho realizado!). Me sinto muito bem acompanhada e nada entediada quando olho pra ela.

Mas de uns tempos pra cá comecei a me sentir mais e mais a vontade com a ideia de comprar e-books e tenho lido cada vez mais nesse formato (ainda mais depois de ter comprovado que leio muito mais rápido assim hehe). Não consigo me imaginar abandonando os livros físicos e toda magia sensorial que eles carregam (amo!), mas já não sinto mais a necessidade de ter várias edições de um mesmo livro como antes. Gosto de estar cercadas por livros, mas acho que estou mais “seletiva” agora, sabe?

Ah, acho que não precisava falar isso, mas não estou desapegando dos livros das fotos hehe só usei eles como modelos porque achei que ficariam bonitos juntos ilustrando esse post :)

Estou muito animada e sentindo que ~finalmente~ vou começar um novo ano (meu aniversário é dia 6 de Agosto) me sentindo mais leve sem esse peso na consciência. Vamos ver se em breve trarei boas notícias em relação a isso aqui pro blog (ou no canal/instagram).

Quem aí também está passando ou passou por isso? Alguma dica?

Obrigada por tudo, pessoal!

xoxo

Este post faz parte do projeto detalhes, uma blogagem criativa criada por desancorando + sernaiotto + serendipity – saiba mais sobre o projeto clicando aqui e confira os outros posts já publicados clicando aqui.

Posts relacionados

38 Comentários + Comentários pelo Facebook
Post Anterior
julho 9, 2018
Próximo post
julho 9, 2018
  • Eliziane

    É muito interessante isso, poucas pessoas conseguem se desfazer das coisas! Parabéns Mel vc tem uma personalidade admirável💜

    • Melina

      É engraçado como as pessoas tem relacionamentos diferentes com objetos e memórias, né? :)
      Obrigada pelo carinho ♥
      :*

  • Ilana Rafaely

    Adorei muito o post. Sou aquele tipo de pessoas que ama desapegar e ler sobre isso, porque sempre me faz ter vontade de desapegar mais. Eu era que nem vc em relação a livros, nunca liguei para roupas, sapatos, make etc, mas quando o assunto era meu livros eu ficava tipo “NÃO TOCA” kkkk esse ano eu me mudei e me assustei ao ver que 5 caixas com coisas do meu quarto 4 eram só de livros. Resolvi separar 2/3 deles para vender e investi no kindle que era meu sonho de consumo de anos. E meu Deus, como minha mente mudou. Eu mal to comprando fisico e estou amando. Desapegar é muito bom ❤

    • Melina

      Muito feliz em saber que gostou do post ♥ eu sempre me sinto inspirada e motivada quando falo sobre isso e leio os comentários de vocês :)
      É muito engraçado isso dos livros, né? Há alguns anos jamais iria imaginar que pensaria como penso hoje :P
      :* e bom desapego pra nós ♥

  • Natalia de Castro

    Mel, me identifiquei muito com o post! Faz alguns anos que comecei a eliminar o que eu não uso e lembro até hoje das enormes pilhas de revistas e cadernos que joguei fora quando sai do ensino médio. No início foi díficil me desapegar e imagino que está sendo assim para você também. Mas depois que você se acostuma com a ideia, você até deixa de gastar com coisas desnecessárias e mantém somente o necessário (como diria o urso Balu kkkk). Hoje a sensação que eu tenho quando jogo fora os acumulos é de leveza e fico muito animada para fazer isso. Bom, tenho duas dicas: a primeira é o site Enjoei que eu uso para vender os itens que não quero mais e que não acho ninguém na minha cidade para comprar e a segunda é que a arrumação sempre fica melhor com uma boa playlist tocando! Espero que você tenha uma boa semana e também que você consiga fazer essa ‘limpeza’ no sótão! ♡

    • Melina

      Tão feliz em saber que se identificou com o post ♥ :)
      Nossa, pra mim foi bem difícil me desfazer de cadernos do colégio. Principalmente porque tinha vários recadinhos de amigas e amigos. Da faculdade eu ainda não consegui me desfazer porque fico com vontade de estudar de novo, mas acho que o melhor é desapegar porque as pesquisas estão sempre trazendo informações novas e muitas das coisas que têm naqueles cadernos já devem estar desatualizadas hehe
      Adorei suas dicas ♥
      Eu até já criei um instagram de bazar online, mas por enquanto só vendi pro pessoal de Curitiba por conta da facilidade :)
      E sobre a playlist: tenho várias! Inclusive uma específica para limpeza haha amo!
      :* e obrigada pelo carinho!
      Uma semana linda e desapegada para nós ♥

  • Sabrina

    Mel, que post maravilhoso! Sério! Assunto muito importante que a maioria das pessoas deixa de lado.

    Eu tenho muito mais dificuldade de desapegar que você mas o que me ajuda demais é anotar as coisas que desapeguei porque isso não vai me fazer ‘esquece-las’ ou ‘perde-las’, sinto que ainda estão em meu coração mas com alguém que vai usar muito mais do que eu (assim espero). As pessoas usando essas coisas não as deixam paradas e assim segue um fluxo.

    Dica simples mas espero ter ajudado.

    Bjus

    • Melina

      Que fofo isso que você faz ♥
      Sabe o que eu faço? Fotografo :) crio alguma imagem com aquilo e guardo de lembrança. Algumas vezes até imprimo a foto e coloco em alguma página do caderno ♥
      Adorei sua dica :* e obrigada pelo carinho

  • mandy

    adorei o post mel, recentemente eu assistir um documentario na netflix que eu até recomendo para você, se chama “minimalists” é bem legal e aborda esse assunto sobre desapegar.

    • Melina

      Eu quero MUITO assistir esse documentário ♥ mas confesso que estou com um pouquinho de medo de querer me livrar de tudo logo depois de assistir e não ter tempo pra fazer essa mudança na hora hehe
      Obrigada pela indicação ♥

  • Marina

    Amei a temática do post, Mel! Eu também estou nessa jornada há um tempo, um dos fatores que me colocou nessa é a própria falta de dinheiro hahah, com isso fui aprendendo a selecionar melhor onde queria gastá-lo. Com relação aos livros os meus critérios para guardar são: valor emocional, vontade de reler e possível material de trabalho. Sou psicóloga e amo a ideia de utilizar a literatura na profissão, seja na área clínica, escolar e social, com crianças, adolescentes, adultos e idosos. Todos os livros que não se encaixam nessas categorias eu coloco para venda, troca no skoob ou presenteio pessoas queridas ♥
    Com as roupas o que eu comecei a fazer é garimpar brechós, customizar e tingir as que já tenho, penso muito antes de comprar alguma peça nova e antes eu faço doação de peças paradas. Eu amo valorizar pequenos negócios e slow fashion também, mas como é caro faço isso quando junto dinheiro e uso de “presente” por ter me desapegado de outras coisas.
    Já com papéis guardados dá para escanear e guardar em arquivos digitais na nuvem, tirar fotos bonitas para guardar e manter a versão física só de alguns mais especiais ou antigos (da infância, por exemplo).
    Desapegar de coisas paradas dá uma sensação muito boa, mas melhor do que isso é ver em nosso cantinho apenas coisas que nos dão felicidade e cumprem o seu propósito ^^ Boa sorte nessa jornada, com certeza vai revisitar memórias incríveis.

    • Melina

      Muito feliz em saber que gostou do tema do post ♥
      Amei seu comentário ♥ e concordo com o que você disse no final sobre ter um cantinho apenas com coisas que nos dão felicidade :) aprendi isso com a Marie Kondo ♥ acho lindo!
      Estou muito feliz por estar nesse processo de desapego e por ter compartilhado isso por aqui :*

  • Júlia Viana

    Oi Melina! Tudo bem? Espero que sim!
    Eu fiquei emocionada quando li o post de hoje. Me identifico com você quando diz que é uma pessoa nostálgica e agrega valor sentimental em coisas que as vezes bobas (tenho o primeiro palito de picolé que tomei com o meu namorado, e isso já faz 2 anos). Mas sinto em lhe dizer que as vezes realmente é necessário desapegar das coisas e passar pra frente. Uma coisa que faço e que me ajuda muito é de tempos em tempos eu vejo tudo o que tenho. Geralmente, agregamos valor a tal coisa (seja ele um papel que veio da Inglaterra ou um papel de bala -e acredite, eu tenho isso guardado-) por um período da nossa vida, mas depois que vamos no nosso sótão e vemos essa tal coisa, já não vemos muito motivo para guardar mais. Tenho aprendido que o importante mesmo é guardar na memória 😊. Outra coisa que eu faço é ver essas coisas sozinha. Já fiz essa faxina com a minha mãe uma vez e ela pegou o mesmo palito de picolé que comentei com você e falou assim: “Vou jogar isso fora”. Poucas palavras, mas me machucou muito. Depois no meu tempo que passo para refletir sobre o dia, percebi que fiquei chateada com ela porque ela não sabia o que o palito significava pra mim. Estou aqui na torcida pra que você consiga desapegar dessas suas coisas pouco a pouco.
    Beijão, Juh. 😘

    • Melina

      Obrigada por compartilhar sua história/experiência com desapego, chuchu ♥
      Sabe uma coisa me me ajuda muito? Foto! Fazer um registro fotográfico do palito de sorvete, por exemplo, e colocar em uma página no seu diário ou então guardar no hd externo mesmo. É algo que acho que ajuda no desapego :)
      :* e boa sorte para nós nessa jornada de desapego ♥

  • Claudia Hi

    Ai Mel eu te entendo. Desapegar não é fácil porque a gente guarda sentimentos nessas peças. Mas que bom que você está conseguindo “se livrar” de alguns objetos. É assim mesmo. Aos pouquinhos a gente consegue mudar. Também não adianta nada fazer um auê e depois ficar se reomendo de tristeza né! Boa semana! ♥

    • Melina

      Siiim ♥ eu acho que desapego sempre vai ser um processo lento pra mim (dependendo do objeto, é claro!), mas acho muito importante ♥ algumas vezes não conseguimos desapegar naquele momento, mas em um futuro próximo (ou não tão próximo) conseguimos :)
      :* e uma sexta linda pra você ♥

  • Fernanda Palhari

    Amei a iniciativa! É bem complicado conseguir se desapegar das coisas, né? Mas que bom que você está conseguindo ☺ Eu me mudei de casa depois que entrei para a faculdade e acabei aprendendo a viver com menos coisas, já que eu só tinha um quarto pequeno para guardar tudo que era meu. Consegui me desfazer de objetos e roupas que eu não precisava mais, mas ainda tenho algumas coisas que preciso organizar e ver o que posso doar e o que tenho que jogar fora – no seu caso é um sótão inteiro, no meu só um guarda-roupa antigo na casa dos meus pais, mas ainda não criei coragem para arrumar. Fé que um dia consigo também, haha 😊

    • Melina

      Oi, chuchu ♥ Feliz em saber que gostou do iniciativa :)
      Eu acho que é importante colocar “desapegar” pelo menos em uma listinha de coisas para fazer por ano hehe a gente acaba acumulando muitas coisas mesmo não tendo muito espaço, né? Quer dizer, pelo menos eu sou assim, mas estou tentando trabalhar pra mudar hehe
      Boa sorte com o guarda-roupa ♥ vamos conseguir :D
      :*

  • Anne Rios

    Que post profundo… [só vi agora]
    Curioso esse assunto, porque eu estava escrevendo no meu blog sobre a mesma coisa, até falei sobre esse assunto com a Lominha no Instagram essa semana, mas acho que ela não vai lembrar.

    Fico feliz que você esteja conseguindo desapegar, hehe. Estou sempre te dando essa força nas redes sociais, que é o máximo que posso fazer daqui.
    Sabe, eu nunca gostei de assistir videos de recebidos de ninguém, e também não fico fazendo isso com as coisas que recebo. Talvez porque seja mais legal mostrar naturamente, quando a situação pedir. O que é mais verdadeiro, mas isso não significa que somos ingratas, a pessoa que escreveu isso talvez não tenha entendido os seus sentimentos.

    Caramba, quase 100 Funkos, isso dá em torno de R$ 10.000!!! Nem sei o que é essa cifra, hehe. Se não fosse a distância eu também comprava um. Já pensou, com esse valor dá para ir e voltar de Londres [emoji de espanto].

    A gente sempre acaba usando as mesmas roupas, né? Também faço isso.
    Como não lembrar do seu vestido preto de corações brancos, que deve ser muito bom para estar durando todo esse tempo, pelo tanto que você aparece com ele, hihi.

    Continua desapegando e não desista!

    =*

  • Loma

    Esse post SOU EU. Sempre adiando o desapego. Eu sempre fui meio acumuladora de coisas (meu pai é assim, a gente se apega muito ao que tem, pelo fato de ser muito difícil de conquistar) – mas eu aprendi a desapegar depois que estudei 1 ano aqui na Coreia e dividia um quarto minúsculo com 3 gringas e meu guarda roupa TODO era uma porta que cabia 6 cabides. Eu vivi um ano com 2 malas de 32kg e nela tinha roupa,. sapato, acessórios, câmeras, cosméticos. Voltei pro Brasil e me livrei de tanta roupa e objeto de decor que só juntava poeira.

    Tento levar esse mesmo padrão de vida atualmente, morando aqui. Não compro objetos, a não ser que sejam super úteis na rotina. E agora estou aprendendo a administra roupas pq sofro do mesmo problema que vc: tenho MUITAS, mas uso sempre as mesmas. Esse tipo de consciência – de que precisamos eliminar algumas coisas – nos ajuda a reduzir o consumo e pensar muito antes das próximas compras.

    Boa sorte com o sótão, amiga. E com essa nova fase de desapegos e de manter apenas o mais essencial (e especial). E sua estante é um sonho mesmo HAHAHA mas Kobo é um salvador de vidas, não é? Amando! Graças a você eu descobri essa maravilhosidade e agora só leio nele e carrego meus livros todos num tablet hahahaha

  • Amanda Lira

    Desapegar dá uma leveza na casa e na alma, né? Amei o post, Mel <3

    Ah, também to tentando aderir ao slow fashion, aos poucos. Adoraria ver dicas de marcas que você está acompanhando <3

    beijos!

  • Helen Rosa

    Oie Mel, eu também sou parecida com você nesse aspecto, desapegar – de – ter- um -quarto-sotão. ( Eu não gosto, pareço meio acumuladora). Nossa, nesse post. você pareceu mais próxima de nós leitores, por ser transparente, e nos mostrar suas dificudlades, que também é parte de nós. ♥♥
    Mas, se você puder fazer um vídeo das melhoras, e como conseguiu se desapegar desass coisas meioa afetivas, eu coloco sentimentos nas roupas, cosméticos, e nessas coisas assim, fico lembrando daquele cheiro, em tal época da minha vida, lembro também da roupa que usei naquela saída, e com tal pessoa que sinto falta pela vida ter nos afastado..coisas do tipo que tenho muita dificuldade e PRECISO, porque apartamento começa ficar cheio de coisas. Se puder nos dar dicas? Beijos e amei esse post em especial ♥♥♥♥♥

  • Larissa Zorzenone

    Oi Melzinha
    Adorei o seu psot sobre desapego. Todo ano, duas vezes por ano, eu faço uma faxinona e vou desapegando de coisas. Pego roupas que não uso a um ano ou mais, sapatos, bolsas, o que for. Separo o que vai ser doado e o que vai ser vendido. Eu tenho muita dificudlade em desapegar das minhas coisas de papelaria, que são muitas, mas, em minha defesa, eu tenho uso pra tudo o que tenho. Eu tenho mais bloquinhos do que eu precisava, verdade, mas me vejo usando todos eles algum dia. Quanto aos livros, eu sou muito apegada, mas aprendi, aos poucos, que não adianta manter comigo algo que não me faz feliz, então eu faço trocas de livro sempre que posso. Assim, meus livros ganahm lares amorosos e eu recebos livros novos que podem fazer com que eu me apaixone.
    Já quero saber mais sobre os seus desapegos. Um beijo enorme no coração

    Vidas em Preto e Branco

  • Cecília

    Oi Melzinha! Que post mais cheio de amor! E como sempre você me inspirando ein? no início desse ano comecei a pesquisar mais sobre minimalismo e slow fashion e sinto que se eu quero uma forma de ajudar as pessoas e o planta, essa é a minha chance. Tinha me esquecido disso mas você me lembrou, sou muito grata por ter conhecido seu insta, seu canal e principalmente o Blog Serendipy. Me sinto em casa em todos eles! Obrigada por compartilhar um pouquinho do seu infinito na internet! Você é luz!

  • Divana

    Oii Mel!!!
    Desapegar é bom, mas às vezes vira um trabalho tão grande que eu fico desanimada, sabe? Separei algumas roupas pra doar e elas estão há uma vida lá em casa, sem um novo lar ainda. Preciso dar um jeito nisso.
    Quando vou desapegar de alguns livros faço questão de lê-los antes. Aqueles que eu gosto bastante ficam comigo. Os outros eu entrego na biblioteca da faculdade.
    Beijooos!!!

  • Schaiane

    Eu também estou nessa vibe do desapego.
    Eu estava numa fase de comprar muitas maquiagens, e percebi que se eu fosse acompanhar os lançamentos diários eu iria falir kkkkk e também não havia necessidade de ter grande quantidade para meu uso pessoal. Consegui vender várias coisas no Enjoei, livrei a alma e enchi o bolso kkkkk
    Roupas nunca fui de ter muita coisa pois sou meio básica, e livros é aquilo né, eu que amo edições bonitas fico querendo quase tudo, e vendo tuas indicações e aquelas fotos maravilhosas no insta fica difícil kkkkk mas sei que tenho que ler os que tenho, e é bom que preciso economizar para futuramente passear na terra da rainha e tomar um chocolate no Costa (suspiro) S2
    Beijos Mel :*

  • Jessica Belotto

    Olá Mel! Que saudades de comentar por aqui. Me identifiquei muito com o post, sempre fui muuuito acumuladora, nunca consegui me organizar bem, entretanto, quando me mudei para São Paulo, tive que levar o mínimo possível comigo (e até esse mínimo se tornou muita coisa), dessa forma aprendi a ser mais organizada, e estou levando isso para todos as categorias, seja sobre os livros, roupas e outros objetos como itens de papelaria, que sou apaixonada e compro demais. Esse ano já consegui reduzir mais de 50% do meu guarda roupa e ainda deixar muita roupa aqui e também em Araras pra não precisar ficar levando toda vez. Por conta da faculdade, aprendi a não ser tão apegada aos livros físicos (apesar de amar muito), comprei um kindle e hoje compro menos livros físicos do que comprava antes. Vou tentar intercâmbio para a França ano que vem, dessa forma vai ser mais fácil se precisar retirar tudo do meu quarto. Toda vez que me desapego de algo parece que sai um peso das costas sabe? é uma sensação ótima! Fico muito feliz que esteja fazendo isso também, amei muito ler sobre a sua experiência Mel, beijinhos <3

  • Gabriela

    Nossa… Mel
    Eu estou passando pela mesma fase. Ano passado morei sozinha e então acumulei muita coisa por ter muito espaço sobrando. Mas agora em junho/18 voltei a morar com a minha família, então estou precisando desapegar de quase tudo… é difícil, mas sempre que dou algo pra alguém, ou me desfaço de alguma maneira, me sinto muito mais leve, mais feliz, e com sentimento de dever cumprido. #desapego
    Li ” A mágica da arrumação” e isso me ajudou muito a mudar como eu encaro objetos de uma forma geral. É incrível como considerar ” o que REALMENTE te deixa feliz” como critério de seleção ajuda BASTANTE.
    Beijos

  • Marie M

    Já faz um tempo que to nessa “vibe”, Mel.
    Durante a minha infância e adolescencia inteira era uma pessoa super desorganizada. Me dá até agonia de lembrar do meu guarda-roupas naquela época, porque toda vez que abria, era uma avalanche de roupas… De um tempo pra cá andei percebendo que tinha muita roupa, principalmente, que não usava. Que comprei porque achei bonita na hora e usei uma vez ou nem usei. Comecei a desapegar e hoje minha relação com as roupas e compra de roupas (qualquer coisa, na verdade) é bem diferente… Já os livros, confesso, não consigo desapegar nem consigo entrar na “onda” de e-books, preciso sentir o cheirinho deles… Outra coisa que mudou foi a minha relação com maquiagem: antes assistia todos esses vídeos de “coleção” de maquiagens e ficava fascinada, queria ter igual. Hoje tenho uma gaveta pequena e sempre penso que consigo desapegar de mais alguma coisa.
    Boa sorte na arrumação do sótão :*

  • Amanda Pelegrin

    Oi Mel,

    Eu acho que essa onda de minimalismo tá pegando forte por todos os lados, minimalismo não é sobre ter poucas coisas, mas ter aquilo que realmente faz bem pra gente. Também estou mergulhando cada dia mais nisso, me desfazendo de coisas que não me fazem mais sentido pra mim, fazendo da minha morada um lugar bom e um lugar cheio do tempo presente, do que me faz bem hoje, guardo coisas pelas memórias também, mas são mem´ørias que continuam me fazendo feliz. Eu não costumo comentar muito, desculpa, mas venho aqui faz tempo e sinto que cada vez que seu quarto muda você parece ir ficando mais calma e mais seletiva com as coisas perto de você, não sei se estou certa, mas parece te fazer bem essas mudanças todas. Espero que você fique cada dia mais feliz com você mesma, e que continue mudando sempre.

    Outra coisa que ia dizer é pra se der, fazer alguma lojinha online tipo enjoei pra você compartilhar com a gente o seu bom gosto, já que moramos longe (eu moro no interior de SP), e sempre acho as suas coisas tão delicadas e únicas, seria legal compartilhar essa possibilidade com a gente. :)

    Abraços =D

  • Débora

    É tão difícil desapegar. Tão difícil. Justamente por causa do que você falou, eu também sou muito nostálgica e colco muitas lembranças nas coisas que vou acumulando. Mas acho importante esse “esvaziar” de tempos em tempos e embora ache mil vezes mais fácil me desapegar de roupas do que objetos já me peguei pensando em algumas peças que já tive e foram doadas. Meio doido, né?! (hehhehe) Isso também acontece contigo?
    Beijinhos

  • Joana Vitoriano

    Nossa!! esse post se encaixou muito em meu estado atual. eu tenho um sério problema com a procastinação, e me desanima sempre pensar no que preciso desentulhar na minha vida e muitas vezes no fimdo dia penso “poxa, se eu tivesse feito o que deveria, não me sentiria culpada de tá deitada sem fazer mais nada agora”.. eu tenho um guarda-roupa que é até grande, mas n cabe metade das minhas roupas porque tenho muita coisa acumulada, e até agora não consegui comprar uma estante pra colocar os livros que acabam ocupando muito espaço dentro dele.. mas agora me deu até um animo de correr atrás disso.

  • Garota de Personalidades

    Esse post me trouxe o incentivo que eu precisava!
    Nesses últimos dias a ideia de desapegar de algumas coisas não sai da minha cabeça. Quero muito pintar a janela do meu quarto e para isso vou precisar tirar o guarda-roupa do lugar, então vou fazer *aquela* arrumação, hehe.
    Assim como você acabo usando as mesmas peças de roupa e as outras ficam escondidas no fundo, não sendo usadas.
    Não vejo a hora de ver espaço livre!
    Abraços Mel ♥

  • Manu

    Oi, Mel!
    É bom ver esses posts pessoais seus aqui de novo <3
    Assim como você, eu tambem sou uma pessoa que associa lembranças a objetos, e guarda muita coisa que já não usa mais. Também tenho uma espécie de sótão particular hahahah, mas que por enquanto ainda não tive coragem de encarari o processo de "destralhamento".
    Me lembro de ter feito duas grandes faxinas e desapegos na vida, e ter meu namorado por perto (que é muito realista e não se deixa levar por essa coisa de lembranças) me ajudou bastante a conseguir me livrar de muita coisa. Eram coisas que eu já não usava há anos e não sentia nenhuma falta (como não sinto depois de me desfazer delas), mas o processo de pegar aquilo na mão e renunciar parecia impossível, hauhauhaua. Ter alguém que não tinha esse apego por perto mas que também respeitava meus sentimentos ajudou bastante no processo.
    Já faz um bom tempo que eu parei de comprar livros físicos, deixo essa honra só pra edições muito bonitas e/ou muito especiais. Acho que essa é uma boa saída pra você também :))
    Beijos e boa sorte com o sótao! ;**

  • Marianna

    Gostei muito do post, muito inspirador. Também sinto a necessidade de me despegar de algumas coisas de vez em quando, e embora seleção seja sempre dificil, a sensação depois de ter organizado tudo é muito boa.
    Boa sorte na seleção Mel :)

  • Bianca

    Oi Mel, primeiramente eu quero te parabenizar por conseguir colocar todos esses seus pensamentos em forma de post (que inclusive ficou muito bom e inspirador!)… eu sou basicamente ao contrário do que você descreveu, quando eu era mais nova era muito “acumuladora”, eu simplesmente odiava desapegar de qualquer coisa, fosse roupas que eu não usava mais ou dvds que não funcionavam e hoje em dia eu sou bem de boa pra desapegar e acho que isso se deve ao fato de que a maior parte das coisas que eu era apegada hoje estão registradas em fotos, textos ou outros tipos de memórias… eu fico mantendo na minha mente o pensamento de que se eu puder doar/desapegar desses itens que foram parte da minha história mas que hoje já não me são mais úteis, eu posso criar espaço para um novo capítulo da minha vida, sabe?
    Esse comentário já está gigantesco mas ok, espero que não se incomode hahaha!
    Eu te admiro por conseguir desapegar dos funko pop, eu acho eles uma gracinha mas eu fico imaginando que se algum dia eu chegasse a ter uma coleção tão gigante quando a sua, eu provavelmente também iria vendê-los ou algo assim, porque me conhecendo eu penso que iria preferir usar o espaço de estantes para guardar livros ou outras coisinhas, apesar dos bonequinhos serem muito fofuxos rs ^^
    O que você falou sobre os livros é algo que eu também notei que se aplica na minha vida, eu percebi que leio muito mais rápido com livros digitais, tanto que estou pensando em adquirir um leitor digital por ser mais prático e por sentir que a leitura flui mais rápido… eu nunca pararia de comprar livros físicos, mas acho que hoje em dia eu só adquiro físicos que são muito especiais, com edições muito bonitas ou que eu tenho certeza de que irei amar muito, sabe?
    Adorei o post! (e perdão pelo comentário gigante rs ^^)

  • Paloma

    Graças a minha mãe, eu sempre gostei muito de desapegar de coisas que não utilizava mais. Doamos sempre para caridade da nossa igreja. É só pensar em quao bem irá fazer a uma pessa, melzinha… que fará isso mais vezes.

  • Eloá Moraes

    Meeel, amei o post! Desapegar realmente é difícil, principalmente quando aquela peça/objeto carrega uma história especial pra gente. Eu tenho tentado o acúmulo cada vez mais, trocando peças (principalmente de roupas) descartáveis pelas de maior durabilidade. Meu maior desafio ainda é a tal da papelaria hahaha amo coisas fofinhas e coloridinhas.

Deixe seu comentário

Instagram

  • (no insta de vocês o número de likes já sumiu?) • o que fica na mesinha do lado da cama de vocês? Na minha tem livros, cremes, nintendo 3ds, flags pra marcar livros, meu e-reader, spray de travesseiro... e agora tem essa criaturinha (que é um segura-vela) que comprei no @o.bestiario ♡
  • essa foto não é de hoje, mas quem viu os vídeos que liberei essa semana no canal talvez reconheça de que dia é ☺️ tô postando só pra desejar um restinho de domingo lindo e pra agradecer todo o carinho que vocês me dão por aqui e no canal (liberei vídeo novo agorinha). Obrigada por me acompanharem e me incentivarem a continuar compartilhando uma parte de mim e da minha vida com vocês 🥰
  • livros físicos ou digitais? Eu amo os dois formatos ♡ hoje em dia acabo optando pela versão física quando a edição traz algumas experiências diferenciadas (arte, textura etc.) ou quando é um livro que sei que vou querer rabiscar/estudar 🤓 acabei de liberar um vlog novo e bem aconchegante no canal (link na bio). Espero que vocês gostem 🙃 #maratonadokindle
  • Qual a sua época favorita do ano? A minha é outono/inverno (novidade hehe) e quando as cerejeiras começam a nascer tenho que me controlar pra não tirar fotos todos os dias ♡ hoje fiz algumas com esse bordado lindo que ganhei de presente do @hasegawaphoto 😍♥️ (obrigada de novo pela surpresa e pelo presente, amorzin)
  • hoje o dia começou com 9°C (com mínima prevista de -1°C ♡) e com uma caixa com presentes lindos enviados pela querida @de_interna_a_residente 🥰 agora tenho um funko do Kevin pra me deixar ainda mais em clima natalino ✨ (obrigada de novo pela surpresa, chuchu! Amei). Como está sendo o dia de vocês? Fiz um convite no ~vídeo extra~ que acabei de liberar no canal (o link está na bio aqui do insta) 🥰
  • Vocês ficam com vergonha ou ficam de boa quando estão sendo fotografados? Eu sempre fico muito envergonhada 😳 Há alguns dias tive a felicidade de conhecer pessoalmente e ser fotografada pela querida e talentosa @paulaciprianoph ♡ e hoje recebi as fotos! Essa aí é uma delas e foi feita em um dos cantinhos da @borealisplantas lá no @botaniquecafe 😌 obrigada pela tarde divertida, nostálgica e com fotos lindas. Amei conhecer você e o @samulionis @oimidori ♡ voltem logo!

instagram